Crônica
fm.simoes@terra.com.br
  • Poemas
  • Crônicas
  • Biografia
  • Fotos
  • Prêmios
  •  

    O QUE SE PASSA COMIGO?


    Creio que quando escrevo este texto estamos chegando aos três meses da quarentena. Tendo 83 anos eu já passei por situações meio parecidas como esta antes, mas não tão impactantes como agora, é verdade.

    Até quando iremos ter que aceitar disciplinadamente as atuais ordens, ou imposições, eu não sei. Afinal se ora comemoramos com notícias meio animadoras o fato é que logo vêm informações que acabam por nos derrubar o ânimo. Por que isto? O que ainda não está sendo cumprido como deve?

    O ser humano enfim reconhece que tem limitações e muitas e que por mais que avancemos em campos como a ciência, por exemplo, logo descobrimos que não tem sido suficiente para nos ajudar a nos livrar de algo invisível que vem sei lá de onde e já tem derrubado tanta gente pelo mundo afora.

    Lembro-me, embora fosse ainda menino, de parte do ambiente que passamos quando da segunda grande guerra mundial. Depois vieram outras crises de caráter mundial, mas que jamais chegaram ao ponto em que estamos sendo submetidos agora.

    Em verdade eu já vivi uma vida, pois mais de 80 anos poucos alcançam tal recorde. Sei que alguns têm chegado a mais de 90 e até mesmo mais de 100 anos, o que aplaudo e respeito, até porque alguns casos são por demais elogiáveis sabendo-se de quem se trata.

    Entretanto o que se houve ou se lê atualmente é que até bebês têm sido atingidos e levados alguns para o outro lado da vida, se é que ele existe como eu creio. Concluímos que as vítimas podem ser de qualquer idade, ainda pequenas ou já bem avançadas no tempo, os tais grupos de risco ao que eu pertenço.

    Desculpem se desabafo numa forma mais simples possível visto que não tenho conhecimento para mergulhar em debate no campo científico, médico, etc. Só sei que devo me cuidar e isto eu tenho feito assim como minha esposa embora ela seja bem mais nova que eu, mas também pertence a grupo de risco.

    O título deste texto diz bem de como ando me sentindo em certos momentos vendo que há tantos familiares a depender de mim e sendo eu apenas um ser frágil diante da força de algo invisível que consegue se espalhar pelo mundo todo.

    Não pensem que eu esteja abalado a ponto de não viver os dias, semanas, meses ou anos que me têm sido concedidos pela existência ou por Deus que creio possa comandar tudo. Porém, algumas vezes penso se estamos sendo castigados por não correspondermos a que algum Ser Criador ou sei lá o que esperava de nós.

    É claro que cientificamente os motivos são outros daí nos pedirem que sempre nos protejamos com as tais máscaras e de preferência não saindo de casa o que acho muito correto apesar de algumas divergências, mas vejam o que se passa no mundo!! Mesmo assim os efeitos danosos desta tal pandemia têm sido desastrosos e não apenas para pessoas individualmente, mas até para nações inteiras e algumas que sempre tiveram economias as mais fortes deste mundo. Haja vista os EUA entre outras nações.

    Pessoas talvez mais fracas para viver os tempos atuais com essas exigências, chegaram ao ponto de tirar suas próprias vidas. É triste, muito triste que a pressão para se viver leve pessoas, algumas até admiradas e muito respeitadas por nós, a cortarem seu vínculo com a vida antes do tempo.

    Outros eu ouvi dizerem que “não tive a mesma coragem”. Não, eu não pretendo chegar a este ponto embora reconheça a dureza que é viver os tempos atuais. E confesso que não tenho grandes motivos para comemorar nem meu próximo aniversário se eu chegar até lá.

    Por isso apesar de tudo eu pergunto no título deste texto “O que se passa comigo?” Nem todos me entendem, afinal cada qual tem sua forma de ver e/ou sentir os momentos por nós vividos. Alguns até riem de mim como se chegar acima dos 80 anos fosse tão simples assim. Um dia se lhes for concedido viver tanto eles ou elas verão que não basta ter saúde, pois o tempo leva de nós outras virtudes que não voltam mais e que nos fazem perceber que o horizonte está cada dia mais próximo.

    O que se passa comigo hoje é que há dias em que me deixo mergulhar em uma solidão embora em volta de mim haja outras pessoas. Trata-se da pressão, segundo dizem entendidos da quarentena e eu nem sequer tenho ido à rua faz muito tempo. Outros dias eu desperto bem mais alegre sem me deixar influenciar pelo desânimo que ouço ocorrer com muita gente.

    Desculpem este desabafo, porém julguei necessário fazê-lo. Se você estiver como eu no grupo de risco, não importa sua idade, trate de se cuidar e muito bem. As recomendações são muito divulgadas e nem vou precisar repetir aqui. No mais não se impressione com as estatísticas tão divulgadas seja na Tv, ou Tvs, seja nas redes sociais, afinal eles dão muita ênfase aos casos de morte, mas raramente falam dos recuperados, já repararam isto?

    Recomendo tomarem pelo menos uma vez por dia 15 a 20 gotas de própolis, se possível num pouco de Gatorade de qualquer sabor. Não se trata de propaganda não, é que esta bebida, segundo médico, tem propriedades que ajudam.

    Acreditamos. Depois ingerir vitamina C pelo que sei ajuda bastante também no aumentar nossa imunidade. Tenho me dado bem e é gostoso.

    Agora que fiz meu desabafo e disse o que desejava dizer aceito críticas desde que sejam bem fundamentadas. Podem mandar, amigos e amigas leitores.


    Maio/2020