Crônica
fm.simoes@terra.com.br
  • Poemas
  • Crônicas
  • Biografia
  • Fotos
  • Prêmios
  • Produção e Administração

     

    CONVERSANDO SOBRE O VASCO DA GAMA


    Hoje, logo cedo, um grande amigo da antiga, vascaíno e luso brasileiro como eu cobrou-me nada ter dito da campanha do Vasco neste ano. Muito bem, então eu vou dar a minha opinião agora para todos vocês. A ele eu já disse parte dela.

    Lembremos que o nosso Vascão teve uma campanha muito pífia no primeiro turno do campeonato carioca deste ano. Melhorou no segundo turno, chegando a disputar o título desta etapa com o Flamengo que perdeu nos penalties para o seu grande rival. Como o Mengo já vencera também o primeiro turno, acabou sendo ele, Flamengo, o Campeão Carioca deste ano de 2011. É bom lembrar. E tem mais.

    A classificação geral, que vai deixar alguns vascaíno mal informados muito tristes, apresentou o Fla como campeão, o vice foi o Fluminense, o terceiro foi o Botafogo e..... o nosso Vasco terminou num lamentável sexto lugar no geral. Nada brilhante, convenhamos. Ficamos atrás do time do Boavista e mais outro do interior. Pois é.

    Para a Copa do Brasil o Vasco se organizou melhor, disputou a sério e foi merecidamente o grande Campeão deste ano. Este título tem a grande importância de colocar o Vasco já na Taça Libertadores do próximo ano e depois, quem sabe, até chegar a disputar o Mundial de Clubes. Vamos ver. Este ano o Santos vai enfrentar o Barcelona daqui a poucos dias, tentando ser o atual campeão mundial.

    Até hoje, do Rio, só o Flamengo obteve este título de imensa grandeza. Também foram campeões mundiais o Grêmio, o Santos (de Pelé) e o São Paulo. Se tiver me faltado algum, me desculpem. Também não vem ao caso agora. Mas, com a Copa Libertadores já assegurada, o Vasco, com seu excelente técnico e um auxiliar da melhor competência, partiu para o Campeonato Brasileiro.

    Sem medo de errar repito o que tenho ouvido de muitos analistas: este foi um dos melhores, senão o melhor Brasileiro de todos os tempos, o mais disputado, com certeza. O meu Corinthians (sim, porque sabem que também torço pelo Timão desde os 9 anos de idade) foi o time que ocupou a liderança do grande certame o maior número de vezes e assim acabou sendo o merecido campeão.

    Não podemos deixar de reconhecer o mérito de outros times, como o do Vasco, que fez também uma campanha brilhante e por pouco não abocanhou este título. A decisão ocorreu nos últimos jogos, últimos minutos, ou últimos segundos de cada um de dois jogos decisivos. Fantástico. Parabéns ao Corinthians.

    A torcida vascaína teve um comportamento elogiável, pois reconheceu o esforço sobre humano feito pelos seus atletas para tentar chegar àquele título. Ao final do empate com o Flamengo, os torcedores aplaudiram o time e jamais deixaram de o apoiar durante toda a campanha. Mas é preciso explicar a razão deste esforço sobre humano a que foram submetidos os jogadores do Vasco.

    Ocorre que o time da Cruz de Malta estava, paralelamente ao Brasileiro, disputando um campeonato que não serve para nada. Alguém diria: ora, o campeão da Sul Americana tem direito a ir para a Copa Libertadores. Sim, mas vencendo a Copa do Brasil o Vasco já estava com este direito assegurado. Ganhar a Sul Americana correndo o risco de perder o Brasileiro foi, na minha opinião, uma má decisão da Diretoria do Vasco, um erro imperdoável.

    Aquela competição interessa mais aos times de outros países sul-americanos que nada mais disputam de importante, esta é a verdade. Expuseram os jogadores do Vasco a duas competições sendo que no Brasileiro o Vasco caminhava a passos largos para disputar o título. Mas aí, bem, aí alguma cabeça mais ambiciosa decidiu que os atletas teriam que fazer das tripas coração e tentar ganhar também aquela “coisa” chamada Sul Americana.

    A eles, jogadores, todos os méritos. Deram tudo de si, jogavam 3 vezes por semana com viagens longas e cansativas pela América do Sul. Foram guerreiros, abnegados, sabiam que seria quase impossível alcançar o “mundo” com as pernas, mas não fugiram da raia. Enquanto isso a Direção do Vasco sorria e os obrigava a um sacrifício desnecessário. A esses senhores, inclusive ao Presidente, a minha crítica feroz, quanto a isso.

    O Brasileiro o Vasco não vence já há muitos anos e é disparado muito, mas muito mais importante que o outro certame que se tornou uma aventura perigosa. Hoje o Campeonato Brasileiro é considerado pela crítica esportiva como tão ou mais importante que o campeonato de clubes da Europa. A irresponsabilidade ou teimosia de alguns poucos engravatados sujeitaram o Vasco a perder os dois certames. Não dava mesmo, era querer demais.

    No segundo tempo das últimas rodadas, tanto do Brasileiro como da Sul Americana, era evidente que os jogadores vascaínos não tinham mais pernas nem fôlego. Os jogadores foram honrados, abnegados, aceitaram a exigência absurda sem a discutir, deram tudo de si, porém o impossível não estava ao alcance deles.

    Resumindo, a Diretoria acabou só podendo comemorar um título, o da Copa do Brasil, pois fomos, mais uma vez, vice no Brasileiro, sexto no Carioca, e terceiro ou quarto na maldita Sul Americana. Aos jogadores todos os louvores, tentaram ser super-homens, super atletas, a quem teimosamente manteve aquela determinação, uma grande vaia de um coração vascaíno, com 75 anos.

    Agora, esperemos que o Presidente do Vasco que adora negociar jogadores mantenha este time para a Copa Libertadores do próximo ano. Será?? Tenho muitas dúvidas. Vamos aguardar e ver o que vai acontecer.

    Amigo, tu pediste que eu escrevesse, pois eu o fiz. É a minha opinião e não só minha, mas sei que não ouves a crítica esportiva em geral, daí só eu receber um “puxão de orelhas”. Saudações vascaínas e corinthianas.


    Francisco Simões. (07/Dezembro/2011)