Crônica
fm.simoes@terra.com.br
  • Poemas
  • Crônicas
  • Biografia
  • Fotos
  • Prêmios
  • Produção e Administração

     

    AS ROSAS NÃO FALAM, MAS OS CORAÇÕES SE COMUNICAM


    Gente amiga, quem está acostumado a visitar o meu site pessoal, agora neste novo endereço www.francisco-simoes.com sabe que muita coisa por lá mudou, e mudou para melhor. Hoje a webdesigner responsável é a amiga Irene Serra.

    As modificações eu deixei que ela as fizesse sem interferir e confesso que amei, amei tudo. A luta foi muito grande para transformar o que já estava feito para o que agora queríamos fazer, ou melhor, o que Irene planejara com seu talento. Eu só tenho a agradecer a ela e ao amigo Luiz, seu marido, com sua eventual participação nessa árdua tarefa.

    Houve momento em que eu quase desisti do meu site, é verdade, mas por uma questão de ética nem posso, nem devo dizer os motivos que me perturbaram tanto. Não fosse a insistência, ou persistência, de Irene Serra talvez eu jogasse tudo para o alto. Perderia muito, sei que perderia demais, fora quanto viria depois.

    Essa mudança de orientação e de domínio por razões que também prefiro silenciar aqui me deram alguns prejuízos. Refiro-me a pagamentos já efetuados e que tiveram que ser novamente pagos, ou o que paguei antes com multa sem ter qualquer culpa. Meu coração sempre esteve aberto a quem julgo amigo, sabem disso. Infelizmente ele não é infalível no julgamento ou a hipocrisia costuma se mascarar a ponto de quando revelada a traição já estar consumada.

    A vida não é só cor de rosa, não mesmo. Neste caso não havia “uma pedra no caminho”, mas uma rocha, e que rocha, até para removê-la foi difícil e exigiu muito de todos nós. Agradeço à amiga Irene, sempre presente, todo o empenho para enfim conseguirmos desviar a estrada e seguirmos nosso rumo em outro caminho.

    Estamos chegando ao final deste ano e agora só tenho a comemorar a permanência de todo o material que já reunira, por muitos anos, no meu site pessoal. Mas chegamos a correr o risco de perder parte dele.

    Felizmente voltaram as flores, o jardim está outra vez sorrindo, e este modesto escriba, versejador esforçado, praticante da arte fotográfica, ex-radialista, ex-professor, aposentado do BB há mais de 25 anos, pode continuar, junto com Irene e Luiz Guedes, um trabalho iniciado por merecimento, já que eu o conquistara em concurso nacional de poesia no ano de 2002.

    Estamos chegando ao final de mais um ano e eu fiz questão de registrar meu agradecimento eterno aos amigos já referidos acima, pois a minha incompetência em lidar com assuntos da informática, e em especial sobre domínio de site, hospedagem de site, entre outros, só foi possível ultrapassar com a ajuda deles.

    Os prejuízos que tive, refiro-me a pagamentos efetuados e que foram desconsiderados, mas não devolvidos, pois não era o caso, algum dia a vida há de cobrar de quem os causou. Sim, porque eu acredito que a vida cobra, sempre. Não é um sentimento de vingança, não, apenas uma constatação, pois eu também já tive que acertar contas com este viver e muitas vezes nem sabia a origem do “débito”.

    Quanto ao fundo musical escolhido por Irene, foi surpresa para mim. Afinal eu amo Cartola, alguém que, na pior fase de sua vida, no ano de 1956, foi um dia redescoberto por Sérgio Porto, nosso então colega do BB e já cronista dos melhores, excelente letrista também. Ele, Cartola, lavava carros nas ruas em Ipanema. Semi analfabeto, provou depois ser um dos mais ricos poetas deste país. Angenor de Oliveira era seu verdadeiro nome.

    Irene me surpreendeu presenteando-me justamente com uma das músicas que mais gosto de todo o cancioneiro do melhor da nossa MPB autêntica. Ela foi buscar justamente em Cartola, um dos mais importantes compositores da música brasileira de todos os tempos autor de obras-primas como "O Mundo é um Moinho", "As Rosas Não Falam", entre outras.

    Sempre que escuto “As Rosas Não Falam” eu me emociono, imaginem quando a ouvi enfeitando por inteiro o meu site pessoal!! Irene, minha boa e querida amiga, só você para ter tal sensibilidade, tal percepção, e um coração que vive sintonizado nos mais puros sentimentos daqueles que te respeitam e gostam de ti reciprocamente.

    Por isso eu disse.... “As Rosas Não Falam, mas os corações se comunicam”, ainda mais quando as pessoas se aproximam por lealdade, respeito, sinceridade, e acima de tudo por uma amizade que dura por toda uma vida e além. Obrigado, amiga.

    Logo estaremos realizando a última atualização deste ano do meu site pessoal, quando lançarei um texto explicando a origem dos personagens do meu poema “É NATAL”. Aguardem meus amigos e amigas.


    Francisco Simões. (Novembro/2011)