Crônica
fm.simoes@terra.com.br
  • Poemas
  • Crônicas
  • Biografia
  • Fotos
  • Prêmios
  • Produção e Administração

     

    FERRARI, A VERGONHA CONSENTIDA


    Amigos, o que se viu hoje na prova de Fórmula UM ocorrida na Alemanha foi mais uma vergonha das muitas que a Ferrari tem proporcionado através dos tempos, dando exemplos nada dignificantes em certas provas. Assim aconteceu algumas vezes quando o piloto alemão Schumaker teve a vitória facilitada por autorização que era dada ao Barrichello, o mesmo que tantos ridicularizam, mas que podia ter vencido e cedeu esta “honraria” ao alemão, cumprindo ordens da equipe.

    Claro que Schumaker não deixaria de ser campeão por isso, caso perdesse provas que o Barrichello tivesse vencido, mas a Ferrari sempre fez questão de mostrar que fazia o “jogo de equipe”, uma indecência que desmoraliza a Fórmula UM como... esporte!!! Não, isso jamais será esporte.

    Lembremos que o nosso Felipe Massa teve aquele acidente que o afastou das pistas por longo tempo, que o fez sofrer muito num tratamento e recuperação prolongados. Massa ultrapassou essas dificuldades e voltou a correr. Nesta semana faleceu um tio de quem ele gostava muito e que o apoiava por demais, como declarou.

    A Ferrari vinha tomando goleadas das equipes RBR e MAC LAREN, e agora que conseguira colocar muito bem os seus dois carros na largada, agora que o Massa, numa largada sensacional, pulou da terceira para a primeira posição, os senhores diretores da mesma Ferrari resolveram jogar lama em tudo isso.

    A TV que transmite a corrida é independente da FIA, mas nesta, FIA, o manda chuva atual é aquele que já dirigiu a Ferrari por longos anos. O rádio colocado no ar mostrou, na voz de um diretor da equipe Ferrari, esta mensagem ao piloto Massa, em voz bem pausada: “Massa, o Alonso está um pouco mais rápido que você..... Entendeu esta mensagem??”... Gente, precisamos explicar alguma coisa?

    Ao término da corrida, quando os pilotos retornavam aos boxes, novamente pelo rádio um diretor da Ferrari cinicamente elogiou a atitude do Massa e disse que ele foi “fantástico”... E ainda acrescentou: “Obrigado, muito obrigado”.

    Alguns garantem que desde um certo episódio em que foi dada ordem para o Barrichelo deixar o Schumaker passar, isto numa prova na Áustria há alguns anos, teriam colocado no regulamento que de forma alguma seria mais permitido o indecoroso “jogo de equipe”. Será? Ocorre, como eu disse, que hoje quem manda na FIA é um ex forte dirigente da... FERRARI, logo...

    Massa foi inteligente e fez questão de deixar bem evidente, de não esconder a ordem que recebera, e assim, logo ao sair de uma curva, tirou o pé para que o Alonso viesse lá de trás e o ultrapassasse. A TV, mais tarde, fez questão de provar o ocorrido repetindo a tal cena da “ultrapassagem”, porém colocando na tela o velocímetro do Felipe Massa, que provou a retirada de pé do piloto, com a velocidade caindo rápido e voltando ao normal após o Alonso o ultrapassar.

    Mais uma vergonha consentida da mesma equipe useira e vezeira em tomar atitudes indecentes, anti-esportivas, como esta, não é de hoje, e com certeza vai continuar a agir assim porque parece que eles têm sempre uma impunidade garantida. Nenhum tipo de punição ocorreu nem irá ocorrer.

    Não se trata de Massa ser novamente um piloto brasileiro que tem que se submeter a esta verdadeira “ditadura regulamentar”, porque qualquer outro na mesma situação ou acataria as ordens imorais a eles transmitidas ou seriam alijados da equipe, com certeza. Não há outra saída. E isto é “Esporte”? Não, nunca, jamais.

    Na entrevista coletiva, tanto em inglês como em português, Massa se comportou como um cavalheiro, mesmo cumprimentando muito friamente o Alonso, disse que o “importante era a equipe”... amigos, entenderam? Pois é.

    Desculpem, mas eu não consigo me calar diante de fatos como este. E ainda pretendo falar sobre a “recusa do Muricy”, quanto ao convite para técnico da seleção do Brasil, mal disfarçada na fala do Diretor do Fluminense. Aguardem.


    Francisco Simões. (Julho / 2010)