Crônica
fm.simoes@terra.com.br
  • Poemas
  • Crônicas
  • Biografia
  • Fotos
  • Prêmios
  • Produção e Administração

     

    A GLOBO E O DUNGA


    Amigos, não quero nem serei rancoroso, mas não posso, nem consigo, deixar passar sem um registro, o que eu vi e ouvi ontem, na TV Globo, durante o programa Fantástico. O personagem a que me refiro é o Sr. Tadeu Schmidt, irmão do nosso bravo, vitorioso e honrado Oscar, do basquete.

    Muitos devem ter visto também, porém não escrevem até porque não se dedicam a isto. Mas eu resolvi usar meu espaço, livre, democrático, e não me calar. Eles mostraram parte da entrevista de Dunga, logo após responder a uma questão colocada por jornalista da Globo, e a seguir começaram a afirmar que o nosso bravo Dunga, que já não deve mais agüentar tanta pressão inconcebível de parte de nossa imprensa esportiva, estaria "balbuciando palavrões visando atingir o repórter da Globo."

    Em primeiro lugar, meus amigos, o que eu vi foi o que sempre vejo, o Dunga, enquanto espera a próxima pergunta, ficar a mexer bem devagar os lábios como num tipo de cacoete sem produzir qualquer som, nenhum. Logo ele respondia a outra questão, e se era de jornalista estrangeiro, Dunga esperava no fone a tradução pra se pronunciar.

    Mas, num tom meio raivoso, como que a vomitar veneno de quem se julga toda poderosa, hábito da nossa TV Globo desde que nasceu em plena ditadura, o Sr. Tadeu, talvez como uma espécie de “porta-voz”, para não dizer “menino de recado” porque o respeito, começou a lançar críticas ao Dunga e afirmou que ele, ao mexer os lábios, “estaria a balbuciar palavras de baixo calão” como a ofender certo repórter da Globo, para quem ele nem estava olhando.

    Enquanto toda a imprensa, inclusive e especialmente a estrangeira, comemorava mais uma bonita e convincente vitória do Brasil, a Globo se prestava a este papel ridículo, com acusações descabidas, pois que todos assistimos àquelas cenas e não aceitamos a “denúncia” (ou mania de perseguição?!) da Globo.

    Dunga é um homem sério, trabalhador, vitorioso, foi o capitão da Seleção do Brasil que ganhou o tetra nos EUA, 1994, elogiado por vários técnicos estrangeiros, inclusive por Maradona e pelo sueco, que dirige a Costa do Marfim, e que foi técnico de Dunga na Fiorentina há cerca de 20 anos.

    Tudo que nossa seleção, sob o comando de Dunga, disputou nesses 3 anos, venceu, repito, venceu tudo. Se não vejamos: ganhamos a Copa das Confederações em grande estilo em cima dos EUA (3x2), vencemos a Copa Libertadores (que raramente o Brasil ganha) decidindo contra a Argentina, 3x0, e saímos das Eliminatórias em primeiro lugar, o que também é raro acontecer com o Brasil. Sem falar nos vários amistosos que vencemos mesmo no campo dos adversários.

    Então nossa imprensa esportiva se queixa do quê? O que desejam é o que sempre fazem, se imiscuir no trabalho do técnico, seja ele qual for, e nunca foi diferente. Todos provaram sempre do veneno gratuito dessa turma, inclusive os que levaram nossa seleção a cinco títulos mundiais. Ninguém escapou da língua ferina de muitos comentaristas esportivos. Por que fazem isso? Que responda algum psicólogo.

    A Globo prestou um grande desserviço, no meu entender, tomando contra si algo que fantasiaram já que realmente em algumas oportunidades Dunga não deixa barato as provocações de alguns jornalistas, e faz muito bem. Eles se julgam intocáveis e logo invocam a “liberdade de expressão”. Na verdade o que eles não sabem é usar, algumas vezes, e respeitosamente, o direito a esta liberdade de expressão e acham que podem dizer o que bem entender e não serem contestados à altura.

    Felizmente Dunga não deve nada a eles e por isso se defende como acha que pode. Ele não tem obrigação de ser simpático com ninguém, mas sim de ser um técnico competente, de tentar levar o Brasil ao título, o que só 5 conseguiram até hoje em 18 disputas de Copa do Mundo. Dunga, meus amigos, assim eu entendo, faz muito bem em não levar desaforo para casa, como se costuma dizer.

    Que deixem o técnico trabalhar e que se recolham ao seu despeito, à sua arrogância profissional, e saibam que muitos, como eu, não os aplaudem nesses arroubos contra o nosso técnico Dunga, ao contrário, trocamos logo de canal ou de jornal ou de rádio. Façam o seu trabalho e deixem o resto por conta de Dunga e sua seleção.

    ...................................

    Meus efusivos cumprimentos aos amigos lusitanos pela bela vitória da Seleção de Portugal sobre a Coréia, 7x0. Uma goleada histórica, mostrando agora ao que veio o nosso bravo Portugal.


    Francisco Simões. (Junho/2010)